Características dos Empreendedores de Sucesso

Olá, bom dia!

O tema do blog hoje são as Características dos Empreendedores de Sucesso. Preparei este vídeo de 9 minutos sobre o assunto, assista abaixo (vocês podem conferir outros vídeos relacionados no meu canal do YouTube). Se o vídeo não aparecer abaixo, clique aqui.



Faltou alguma característica que não mencionei no vídeo? Qual? Para você qual as características mais importantes? Você tem alguma história pessoal relacionada ao tema? Sinta-se à vontade para acrescentar nos comentários.

Segue um post do meu blog que pode ser bastante útil para você nesse momento: "Talvez empreender não seja para você (ou talvez seja)".

Caso você queira se aprofundar mais no assunto, separei alguns links que falam das características dos empreendedores de sucesso:


Se você gostou do vídeo, inscreva-se no meu canal, assim você será notificado(a) dos próximos vídeos. Para se inscrever no canal, clique aqui

Até a próxima!

Luiza S. Rezende
Advogada empresarial especializada em startups
***

Se você gostou do post, clique aqui para se inscrever no blog e receber os novos posts por email.

Seguem outros posts do blog que podem ser úteis a você nesse momento:


empreendedor, empreendedores, empreendedor de sucesso, características dos empreendedores de sucesso, empreendedorismo, startup, empreender, empreendedora,
Foto: Zoonar / Wavebreakmedia / CrayonStock

O que é PaaS (Platform as a Service)?

Olá a todos, 

Como estão?

O post de hoje é sobre PaaS - Platform as a Service, ou, em português, "Plataforma como serviço", e é uma continuação ao nosso conhecido post do blog "Contrato na modalidade SaaS (Software as a Service): o que é, quais as principais vantagens e pontos jurídicos de atenção".

Vamos começar com a definição. Em tradução livre da Wikipédia, "uma PaaS é uma categoria de serviços de cloud computing (computação na nuvem) que proporciona uma plataforma que permite que clientes desenvolvam, mantenham e gerenciem aplicações Web (qualquer programa que seja executado em um browser) sem a complexidade de ter que criar e manter a infraestrutura tipicamente associada com o desenvolvimento e lançamento de uma aplicação (app)".

Acredito que para quem não é da área de TI a PaaS é um pouco mais difícil de compreender do que o SaaS. Em primeiro lugar, importante ressaltar que a PaaS é um serviço relacionado à criação e gerenciamento de aplicações Web - a maioria das pessoas fora da área de TI não é capaz de desenvolver aplicações Web, por isso acaba sendo um termo mais restrito a profissionais de tecnologia, diferente do que acontece com o SaaS, já que hoje em dia todos que usam a internet diariamente acabam usando algum tipo de software e, consequentemente, um software como serviço - SaaS.

As PaaS realmente reduziram as dificuldades para se criar aplicações Web. Antes, para que uma pessoa pudesse criar uma aplicação, era necessário adquirir um hardware especifico, configurá-lo, instalar softwares complexos, configurá-los, testar a segurança, desenvolver um sistema de feedback e "analytics" do que estava acontecendo, criar um sistema de gerenciamento de contas etc. Isso tudo  deixava a tarefa de desenvolvimento da aplicações muito mais restrita, trabalhosa e lenta.

Uma imagem muito interessante que achei no site da SalesForce explica como o modelo de PaaS auxilia no desenvolvimento de aplicações (e ilustra as fases que mencionei acima antes de a PaaS existir). A imagem, apesar de ser uma "propaganda" da SalesForce, traz um raciocínio que vale para a categoria de PaaS:

Imagem muito interessante que achei no site da SalesForce explica como o modelo de PaaS auxilia no desenvolvimento de aplicações (e ilustra as fases que mencionei acima antes de a PaaS existir). A imagem, apesar de ser uma "propaganda" da SalesForce, traz um raciocínio que vale para a categoria de PaaS:

De acordo com esta interessante matéria do The Guardian sobre o tema, os pioneiros do PaaS foram a Amazon Web Services e o Salesforce.com, apesar de abordagens similares já haviam acontecido antes. O Google tem o Google App Engine, que fica dentro do Google Cloud Platform, que por sua vez trouxe a PaaS para uma escala bem maior.

Para quem quer entender um pouco mais, na prática, como funciona uma PaaS, vale a pena ler as informações deste link do Google App Engine. Eles disponibilizam ferramenta para que as pessoas (em sua maioria desenvolvedores) possam criar aplicações com as linguagens de programação mais populares (Python, Java, PHP and Go), além de integração com outras tecnologias como Node.js, C++, Scala, Hadoop, MongoDB, Redis, entre outras. No site também trazem alguns casos de sucesso de empresas conhecidas e estabelecidas como Rovio, Khan Academy e Best Buy que usaram este PaaS.

Espero que o post tenha sido esclarecedor e que vocês agora se sintam mais confortáveis para falar sobre PaaS.

Até a próxima!

Luiza S. Rezende
Advogada empresarial especializada em startups

Se você gostou do post, clique aqui para se inscrever e receber os novos posts por email.

Fontes: Wikipédia (em português e inglês), matéria do The Guardian, Google Cloud PlatformSalesForce, Amazon Web Services

***
Seguem outros posts do blog que podem ser úteis a você nesse momento:


Foto: Panther Media / CrayonStock

A importância da assessoria jurídica contínua para empresas e startups

Alguns empreendedores e novos empresários têm dúvidas sobre a necessidade de consultar um advogado ou ter um advogado / assessoria jurídica contínua para a empresa.
Minha resposta:
a) Escolha um advogado de sua confiança e sente-se com ele assim que decidir que aquele business / startup que você está planejando irá sair do papel e se tornar uma empresa;
b) É importante ter um advogado acompanhando o processo de crescimento da empresa e ciente dos novos desafios estruturais e comerciais, pois assim ele poderá resolver as dúvidas jurídicas que surgirem e providenciar os novos procedimentos/documentações que foram necessários;
c) Ao se sentar com seu advogado pela primeira vez discuta com ele os principais pontos de sua empresa, as atividades que ela realiza, os planos para os próximos meses em relação a expansão, sócios, funcionários, forma de relacionamento com cliente, marketing etc e definam juntos uma lista de prioridades jurídicas que devem ser seguidas nos próximos meses.
Alguns documentos são essenciais e devem ser realizados imediatamente. Outros serão imprescindíveis assim que determinada atividade, serviço ou produto for oferecido. Para uma empresa com um orçamento inicial mais enxuto, como são as startups e as pequenas e micro empresas em geral, estabelecer as prioridades junto com seu advogado é um passo importante para que o cliente fique seguro e para que a assessoria jurídica caiba no budget.
Não dar atenção a itens jurídicos essenciais da empresa pode custar caro (literalmente $ caro) no futuro, por isso a importância de eleger um advogado de confiança e tê-lo por perto.
O primeiro papo com o advogado deve ser direto e objetivo, de modo a deixar o empreendedor/empresário seguro do que ele precisa para estar juridicamente protegido e ciente de quais são os próximos passos e prioridades para que isso ocorra de forma financeiramente viável.
Após o primeiro papo, a ideia é que a relação com o advogado seja constante, de modo a que este profissional possa ajudar o empresário nos novos desafios jurídicos que irá enfrentar ao longo da vida da empresa.
A assessoria jurídica constante para empresários (realizada por advogados especializados) é uma medida preventiva essencial, assim como uma forma de planejamento estratégico para mudanças estruturais e para o crescimento da empresa.
Espero que o post tenha sido útil e até a próxima!
Luiza S. Rezende
Advogada empresarial especializada em startups

Se você gostou do post, clique aqui para se inscrever e receber os novos posts por email.

***
Seguem outros posts do blog que podem ser úteis a você nesse momento:
assessoria jurídica, advogado, direito empresarial, advogado empresarial, acompanhamento jurídico, empresas, startups, advocacia, advocacia emrpesarial,
Foto: Panther Media / CrayonStock

Startups interessantes do mercado de alimentação

O mercado de startups ligadas a alimentação está bastante aquecido, tenho acompanhado algumas startups muito interessantes no ramo. Gostaria de compartilhar algumas delas com vocês!

Recentemente descobri a Plated, que te entrega semanalmente na sua casa uma caixa com ingredientes sazonais frescos para você preparar pratos "de chef"! A cada semana os chefs criam 9 opções para vegetarianos, amantes de carne e de frutos do mar. A caixa, como não poderia deixar de ser, é reciclável e refrigerada. Uma pena que eles entregam apenas nos EUA, gostei bastante da proposta...!

No Brasil, temos as conhecidas startups de reserva de restaurante online, como Grubster e a Restorando; temos também o iFood, que era um catálogo para pedir comida por telefone e agora está totalmente online (crescendo bastante no Brasil) e concorrentes como o Hellofood, e o Comer na Web, que também estão crescendo.

Recentemente descobri a iCode Brasil, que disponibiliza a tradução de cardápios para outros idiomas usando um QR code (entre outras funcionalidades). Achei muito inteligente a ideia, que é bastante estratégica no Brasil com os eventos esportivos (Copa e Olimpíadas) e o aumento do número de turistas.

Outra startup brasileira é a FoodTraders, que faz cotações eletrônicas para o mercado de food service. Trata-se de um marketplace em que fornecedores do mercado de alimentação e compradores de restaurantes e similares (como bares, hotéis, lanchonetes, sorveterias etc) possam se encontrar. A ferramenta promete facilitar a vida de quem trabalha diariamente no setor, e acredito que também irá ajudar a que pequenos fornecedores possam se fortalecer no mercado.

Se você conhece outras startups de alimentação interessantes, sinta-se à vontade para compartilhar nos comentários.

Luiza S. Rezende
Advogada empresarial especializada em startups

http://about.me/luizasrezende

Se você gostou do post, clique aqui para se inscrever e receber os novos posts por email.

***

Se você está abrindo uma startup, seguem outros posts do blog que podem ser úteis:

Cuidados jurídicos iniciais que todo empreendedor e empresário devem ter ao abrir sua empresa

Os Contratos e as Novas Empresas: uma Introdução














startups, startup, alimentação, restaurantes, inovação, startups de alimentação,
Foto: Kzenon / CrayonStock

Can a foreigner open a business in Brazil? How does it work?

Today’s post (written by our team at SRC Lawyers) is about this frequently asked question in a time of high mobility of people and companies: “can a foreigner open a startup / business in Brazil? How does it work?”.



NOTICE: THIS POST IS STRICTLY INFORMATIVE AND DOESN’T SUBSTITUTE A CONSULTATION WITH A LAWYER.


Let’s start: Yes, a foreigner can open a business in Brazil. A foreigner can create or have shares in companies in Brazil, living there or not. But before that, he/she needs to be compliant with some requirements and also perform some paperwork. Please find below some of them:


a) Foreigner living in Brazil through an Investor Visa (permanente visa, obtention of a “RNE permanente”).

A foreign investor can pledge an investor visa in case he/she wants to have a permament residence in Brazil. The category of this visa is “permanent”.

The Foreigner will be asked to prove an investment of a minimum of R$ 150.000,00 (a hundred and fifty thousand reais) on the company (existing or new) that he/she intend to invest on, besides presenting an Investment Plan that proves the social interest of the investment.

The general rules of this type of Visa can be found at  Resolução Normativa nº 84 from the National Immigration Counsil.



b) Foreigner living in another country:

A foreigner can be partner or shareholder of a Brazilian company without living in Brazil. He/she will need to be registered in the Receita Federal (to get a CPF – a national identity document) and in the Central Bank of Brazil (Bacen) through the Registro Declaratório Eletrônico (RDE), besides mandatorily having an attorney-in-fact (also called agent) with specific powers. After that a foreigner will be able to invest in Brazilian companies.

***

Important to mention that Brazilian Law states a few prohibitions on foreign investimento on specific economic activities, such as investments in activities related to nuclear energy, health services, postal and telegraph services and aeroespacial industry.

There are also restrictions of the participation of the foreigner in financial institutions, mining sector, public air services, property and management of newspapers, magazines and other publishing vehicles, as well radio and television. 


Therefore if you want to open or invest in a startup in Brazil, check out the possibilities above and talk with a lawyer about the procedure for your specific case.

Hope this post is useful for you. If you liked itclick here to subscribe and receive the new posts by email.

This post was written by our team at SRC Lawyers.

See you soon!


Luiza Rezende
Business Lawyer specialized in Startups

foreigner, can a foreigner open a business in Brazil?, Can a foreigner open a startup in Brazil?, open a company in brazil, legal issues, brazilian lawyer, brazilian business law,
Foto: Syda Productions / CrayonStock