20 de agosto de 2014

Contrato de prestação de serviços: orientações para empresários

Uma empresa (e aqui incluo as startups - empresas iniciantes com algumas características específicas - confira neste post a definição de startup - e que ainda precisam validar seu modelo de negócio no mercado), para desenvolver e expandir suas atividades de forma legal, certamente irá precisar de contratos de prestação de serviço e é sobre este tema que trata o post. Importante relembrar que o caráter do blog é informativo e que este conteúdo não substitui de forma alguma a consulta a seu advogado de confiança.

***

Informações preliminares:

Queria ressaltar que este post não compreende os contratos de trabalho, que são regidos por normas peculiares, possuem requisitos específicos e são regulados pelo Direito do Trabalho. Neste post me refiro a contratos de prestação de serviços entre empresas ou aqueles firmados entre as empresas e seus clientes (ou seja, quando uma pessoa física contrata uma empresa para prestar serviços), situações essas que são reguladas pelo direito civil, direito comercial e direito do consumidor.

Outro ponto importante: este post está tratando da "categoria" contratos de prestação de serviço. Dentro desta categoria estão compreendidas as diversas subcategorias desse tipo de contrato, tais como "contrato de prestação de serviços de publicidade", "contratos de prestação de serviços de consultoria" etc. É necessário consultar seu advogado para saber no seu caso concreto de qual contrato se trata e como devem ser as cláusulas.

Por último: um dos objetivos deste meu texto é ressaltar a importância do trabalho intelectual do advogado na elaboração dos contratos. A conversa sincera entre o advogado e o cliente sobre o modelo de negócio e a relação comercial que está sendo formalizada é essencial para que o resultado final seja um "bom contrato", ou seja, um documento que de fato proteja e assegure as partes envolvidas na relação e que deixe claro a cada uma delas a que estão se obrigando.

***

Vamos ao texto:

- Contratos são documentos importantes para formalizar diversos tipos de relação entre duas ou mais partes. Para as relações comerciais da sua empresa, será importante que todas as vezes que você for firmar um negócio com um fornecedor, um prestador de serviços, um cliente (caso você seja um prestador de serviços) etc, você formalize essa relação por escrito com um documento denominado contrato.

- Um contrato não tem uma forma exata previamente estabelecida em lei (as partes têm alguma autonomia para elegerem parte das cláusulas), mas alguns requisitos de validade e eficácia (assim como algumas cláusulas) devem necessariamente ser observados para que o documento que será assinado esteja de fato assegurando o que as partes querem proteger. E aqui está em grande parte a importância de o documento ser feito por um advogado: o leigo não tem como avaliar se aquele é um "bom contrato" (ou seja, um contrato que cumpre sua função) ou um "mau contrato", que praticamente não regula ou assegura a relação das partes.

- Alguns exemplos: se você vai contratar uma empresa de consultoria administrativa para auxiliar no dia-a-dia da sua empresa, você precisa firmar um contrato de prestação de serviços específico com essa empresa, que irá conter as cláusulas de responsabilidade, validade, prazo, foro, multa, obrigações etc. É extremamente importante consultar seu advogado nesse momento e discutir com ele como vai funcionar a relação entre as partes e qual a documentação necessária para que as partes estejam asseguradas de suas responsabilidades, direitos e riscos envolvidos (aqui relembrando que, obviamente, é impossível prever todos os riscos futuros, aqui se trabalha com uma noção de previsibilidade).

- Se a empresa que você deseja contratar para prestar um serviço para a sua empresa possui uma "minuta padrão" para os clientes, vale a pena consultar seu advogado sobre o documento que será assinado e verificar se, devido a alguma peculiaridade da situação, vale a pena discutir a alteração/negociação de alguma das cláusulas, para que a relação entre as partes não fique desequilibrada ou não se tenha prejuízo indevido.

- O que muitas vezes alguns empresários não entendem (e acabam se prejudicando por isso) é que não basta encontrar um "modelo de contrato" na internet e começar a usá-lo em todas as relações comerciais da empresa. Fazer isso é se iludir de que está protegido e de que "está fazendo as coisas da maneira correta". Um contrato é muito mais do que um papel e um emaranhado de cláusulas: nele estão reguladas diversos tipos de responsabilidades envolvidas na relação entre as partes. O conteúdo do contrato deve ser pensado e refletido por um profissional que estudou o Direito envolvido e consegue entender com profundidade o que está por trás de cada uma das cláusulas (e sua relação com o restante do ordenamento jurídico). Para mais informações sobre a importância dos contratos, por favor verifique meu post neste mesmo blog sobre o tema: Contratos: por que utilizá-los nas relações comerciais de sua empresa?

- Se você é um prestador de serviços, o contrato é importante para deixar claro para o cliente quais são as responsabilidades envolvidas e qual é exatamente a obrigação do prestador de serviços (você está se comprometendo a realizar exatamente o que). Prazos, forma de execução, forma de entrega, forma de pagamento, multa são exemplos de itens que podem ser regulados por meio do contrato e podem facilitar bastante a relação entre as partes. 

***

E, por fim:

Preciso de um advogado para elaborar meu contrato de prestação de serviços?

Sim. Como eu disse acima, buscar na internet "modelos de contrato" só vai te dar a ilusão de estar protegido. O contrato não é apenas um papel com um texto padrão, mas sim um documento que deve ser objeto de reflexão e elaborado por um profissional do Direito.

É isso, espero que este post seja útil a vocês.

Até breve,

Luiza S. Rezende
http://about.me/luizasrezende

Se você gostou do post, clique aqui para se inscrever e receber os novos posts por email.


contrato, contrato de prestação de serviços, direito, advogado, empresa, pequena empresa, empreendedor, empresário, startup,
Imagem do Flickr de autoria de "Guudmorning!". Link para a imagem aqui. Link para a licença aqui. Link para o resumo da licença aqui.

19 de agosto de 2014

5 STARTUPS que mostram que o FUTURO já chegou. Chegou e veio para ficar.

Olá a todos os EMPREENDEDORES (falantes de língua portuguesa)! Como estão?

Separei 5 STARTUPS realmente surpreendentes para colocar hoje em destaque no blog e falar brevemente sobre elas. São modelos de negócio que há 10 ou 15 anos (estamos falando de 2004 ou 1999!) seriam pouco prováveis de virem à tona (do ponto de vista do senso comum e dos hábitos de consumo mais populares), e hoje estão aí, crescendo e transformando o mercado. Daí vem a "brincadeira" do título, pois algo que há alguns meses ou anos estaria em nosso imaginário de "futuro" hoje faz parte da realidade (ainda que não seja "mainstream", pois sabemos que este é o processo natural de evolução de um produto/serviço novo - começa com early adopters e gradativamente vai para o mainstream).

Enquanto preparo este post penso: em termos de inovação tecnológica, tudo muda muito rápido, inclusive os hábitos dos clientes/público. Cabe a você, empreendedor, colocar sua ousadia em prática e criar produtos e serviços que melhorem a vida das pessoas, mesmo que sua aceitação hoje ainda não pareça viável. Não desanime, não desacredite: você pode criar o caminho para que essa viabilização ocorra bem antes do "esperado".

Vamos às STARTUPS "futuristas" de hoje:

***

1- AIRWARE: "Hardware, Software and Cloud Services for Commercial Drones".

Tenho um certo fascínio por drones (uau, como isso já em 2014?!) então tudo o que tem a ver com eles me chama a atenção. Bom, essa STARTUP não precisa de muitas explicações, eles vendem hardware, software e cloud (?!?!) para drones. E parece que estão contratando... A era dos robôs voadores está chegando. Ui!

2- ZUTA LABS: "Pocket Printer"

Você digita e o aparelhinho (pequeno, discreto e portátil) imprime para você. Adorei! O formato lembra aqueles carimbos e "furadores" de criança, que vinham com desenhos diversos, lembram?!

3- NEW MATTER: "Simple. Affordable. 3D Printing". O aparelho se chama MOD-t

Todos ficamos muito animados com as impressoras 3D, faltava alguém tornar isso acessível. Esse parece ser o objetivo da New Matter. O aparelho custa 279 dólares e você pode já fazer um Pre-Order. Achei chique!

4- AIQ SMART CLOTHING

Roupas tecnológicas: tem para aquecer, iluminar, fazer biomonitoramento, anti radiação, luvas que te permitem postar na social media (essa eu tenho, olha aqui). Pois é, os wearables só estão começando... Parece que a distribuição ainda é sob medida, nesse site não encontrei uma tela de e-commerce para comprar (queria comprar a blusa que esquenta!).

5- EKSOBIONICS: espécie de "exoesqueleto".

A imagem inicial do site fala por si só. Super tecnologia de exoesqueleto feita para indivíduos com diversos tipos de paralisia. Incrível. Acho que a área médica tem milhares, senão milhões de inovações possíveis de virem à tona em breve e ajudarem muitas pessoas. Está na mão dos desbravadores (EMPREENDEDORES) trazer para o presente o que nossa imaginação às vezes coloca em um futuro distante...!

***

Lembrando que os gigantes da tecnologia (Google, Amazon, Microsoft etc) também estão desenvolvendo tecnologias sensacionais (drones da Amazon, self-driven car do Google etc), mas o objetivo aqui é focar em STARTUPS (gente nova no pedaço...!).

É isso, adoro falar sobre o futuro! Até breve!

Luiza
http://about.me/luizasrezende

Se você gostou do post, clique aqui para se inscrever e receber os novos posts por email :-)



Business, criatividade, empreendedor, empreendedorismo, Empresa, ideias, inovação, mercado, modelo de negócio, Startup, tech, tecnologia,
Foto do Flickr de autoria de Chris Isherwood. Link para a imagem aqui. Link para a licença aqui. Link para o resumo da licença aqui.

18 de agosto de 2014

Por que minha startup ainda não decolou?

Muitas startups falham. Muitos empreendedores começam com muita energia (e ansiedade), constroem expectativas e sonhos e vão aos poucos decaindo, até que em 6 meses ou 1 ano não existe mais nada delas e os sócios voltaram para empregos "seguros". Mas por que? O que faltava para aquela startup se tornar um sucesso?

***

Para não frustrar expectativas: o objetivo deste texto não é apresentar dados micro-econômicos, estatísticas ou pesquisas sobre o porquê de as startups falharem. O objetivo deste texto é mostrar a minha opinião sobre o tema, com base no que vejo e leio diariamente.

***

Como muitos já devem ter lido por aí, falhar faz parte do processo de inovação e auto-descoberta e é algo totalmente ligado ao empreendedorismo. Começar um negócio novo é se aventurar no desconhecido: por mais pesquisas e estudos prévios que você possa fazer, existem variáveis que não são passíveis de mensuração prévia. Você precisa colocar a mão na massa e ver o que acontece quando a empresa "está na rua".

Às vezes seus cálculos foram suficientemente certeiros, você estudou o mercado e os concorrentes, teve alguma sorte, teve o preparo necessário, fez na "hora certa" e "do jeito certo" e o negócio "vira". Às vezes percebe-se que variáveis importantes foram ignoradas no business plan e as coisas não evoluem tão bem como planejado. Normal: errar é humano. Errar, no contexto do empreendedorismo, faz totalmente parte do processo de aprendizado.

Mas como você dá "seguimento" ao erro é essencial e faz TODA a diferença: você precisa continuar, entender que aquilo é um capítulo e não o final da sua história como empreendedor. Tudo depende de como você vai assimilar esse erro e seguir daqui para frente.

Muitos empreendedores vão lançar uma ideia que precisa de alguns ajustes para fazer sucesso (sucesso aqui tem o sentido de ser bem recebida pelo público e gerar rendimento sustentável). Outros vão lançar algo que precisa ser totalmente reformulado para fazer sucesso. Outros vão lançar algo que o mercado ainda não está "pronto" para aceitar e usar, e terão que investir esforços em marketing, parcerias e ousadias para convencer e "se provar" para o mercado. Isso tudo significa tempo, persistência. Para cada pessoa e para cada negócio existe um tempo de desenvolvimento/maturação. É preciso tentar, acreditar, se esforçar, pivotar, adaptar, seguir. É preciso não desanimar ante o erro, a falha, a empresa quebrada.

Você tentou aquele caminho, ele não vingou. Existem outros. Se você realmente acredita no seu business, precisa continuar com ele, pedir novas opiniões, estudar mais, buscar outras orientações e seguir procurando outros caminhos.

Existe o caminho que é o do sucesso, o tiro certeiro. Mas nem sempre ele está aí, já na primeira tentativa. Às vezes você precisa se aprimorar mais para chegar nele. Às vezes você precisa conquistar o sucesso, estar pronto para administrá-lo e torná-lo algo realmente sustentável. E isso é bom, vai te fazer crescer.

É como a jornada da vida de cada um: o sucesso (e aqui estou falando de sucesso empreendedor) vai chegar, mas cada um tem uma jornada, cada um tem um caminho necessário até ele. Não desista. Se você realmente acredita no seu negócio, ele vai virar.

É possível que você precise reformulá-lo totalmente. É possível que você precise ainda estudar bastante, ouvir outras opiniões, mudar de sócios. Se você for realmente proativo e buscar pessoas para te ajudarem, se você se não deixar seus pensamentos pessimistas ou pessoas que não acreditam em você te convencerem, certamente sua jornada será bem sucedida.

Pode ser que o resultado não tenha nada a ver com seu plano inicial. Pode ser que você acabe se envolvendo em uma área que não tinha nada a ver com o que você inicialmente idealizou. Pode ser que você conclua que empreender não é para você. Mas certamente essa jornada de erros, acertos, tentativas (e coragem!) será muito positiva e te deixará mais perto de quem você realmente é e o que você acredita.

Até breve!

Luiza
http://about.me/luizasrezende

Se você gostou do post, clique aqui para se inscrever e receber os novos posts por email :-)


Startup, empreendedor, empreendedorismo, sucesso, empresa
Foto do Flickr de autoria de Ksayer1. Link para foto aqui. Link para o resumo da licença aqui. Link para a licença aqui.

17 de julho de 2014

12 Motivos para passar a usar o Linkedin com mais frequência

O LinkedIn é uma rede social “profissional” que tem crescido bastante no Brasil e que acredito que seja vantajosa tanto para empresas (em relação a posicionamento de mercado) quando para pessoas (em relação a seu posicionamento de carreira). Se você nunca usou o LinkedIn, sugiro que leia algum outro post da internet antes deste para entender melhor como funciona a rede e suas características básicas - por exemplo este link ou este.

Especificamente para pessoas (e não empresas), acredito que o LinkedIn seja muito bom, por exemplo, para:

a) Fazer networking nas suas áreas de interesse;
b) Encontrar ex-colegas;
c) Prospectar novos negócios com seus contatos;
d) Manter contato com clientes e parceiros;
e) Postar conteúdo relevante na sua área de expertise;
f) Seguir empresas, estar atualizado de novas vagas;
g) Procurar emprego;
h) Criar sua marca pessoal online;
i) Ter seu currículo disponível online 24 horas por dia sem ter que pagar nada;
j) Participar de grupos de discussão em suas áreas de interesse;
k) Estar atualizado com as novidades profissionais de seus contatos
l) Etc...

Seguem abaixo alguns highlights do LinkedIn que acredito serem muito úteis e que gostaria de compartilhar com vocês, principalmente com aqueles que não costumam usar a rede:

1- Seu currículo estará disponível online de forma simples, direta, padronizada e organizada.

Esta é uma característica básica dessa rede social e que acredito que seja uma forma bastante útil de se utilizar a internet para procurar emprego ou mesmo se posicionar no mercado. Seu currículo está lá à vista (online 24h por dia) e oportunidades podem surgir (recrutadores apresentando vagas, novos negócios, bom networking etc).A título de exemplo segue aqui uma versão pública do meu perfil no Linkedin (que funciona, como comentei, como um currículo online).

2- É uma rede social com um um tom mais "sério", "profissional". As interações que acontecem ali são mais focadas em carreira, networking, indicação etc.

Gosto da ideia de redes sociais "de nicho", porque as interações que acontecem ali acabam sendo de maior qualidade, mais focadas. No LinkedIn há a interação comum às redes sociais (posts, troca de mensagens, adicionar novas conexões, preencher perfil), mas há também mais oportunidades de surgirem interações de maior qualidade e que gerem mudanças positivas na vida do usuário (uma recomendação de um ex-colega de trabalho, um novo emprego, um novo fornecedor etc).

3- Você pode destacar seus "skills" (habilidades), e mostrar mais qualidades pessoais (e não só títulos e cargos); suas conexões podem recomendá-lo por essas qualidades.

Gosto desse recurso porque é algo não muito comum em currículos (apresentar suas habilidades em forma de lista) e acredito que seja algo muito importante para encontrar bons profissionais. É também um recurso "social" (pois outras pessoas podem endossar as habilidades que você listou). Você escolhe quais são seus "skills" e as pessoas poderão lhe recomendar por eles. Vejam abaixo um print da minha tela de skills e as recomendações:


Linkedin, Rede Social, Social Network, Empresa, empresário, empreendedor, empreendedorismo, business

4- Suas conexões podem lhe recomendar por seu trabalho.

Gosto bastante desse recurso, também bastante "social" (não posso deixar de lembrar que parece o "Testimonial" do Orkut - que vai sair do ar em breve!). Ele ajuda a fazer com que seu perfil, posições e habilidades tenham endosso de outras pessoas (ou seja, não é só você que está falando, outros também concordam e atestam em público).

5- Existe espaço para customização; ajuda você a criar sua marca pessoal.

O LinkedIn te permite customizar vários elementos do seu perfil, como a foto que você irá colocar, o título que você vai eleger para te representar, o texto que resumirá um pouco de sua carreira e conquistas etc. Para aqueles que aderem à versão paga (LinkedIn Premium) é possível editar a capa (como ocorre no Twitter, Facebook e Google+ por exemplo). Gosto bastante dessa possibilidade de customização: apoia a pessoa na criação de sua marca profissional. Recentemente coloquei uma capa nova, segue abaixo como ficou a parte de cima do meu perfil, aqui mostrando capa, foto e título:


Linkedin, Rede Social, Social Network, Empresa, empresário, empreendedor, empreendedorismo, business


6- Você pode criar uma página para sua empresa.

Como existem as páginas no Facebook e no Google+, no LinkedIn você pode criar uma página customizada para sua empresa e lá publicar vagas e outras atualizações. Recurso útil para auxiliar no branding da empresa.

7- Você pode enviar e receber mensagens para possíveis parceiros ou recrutadores.

Assim como a maioria das redes sociais, no LinkedIn você pode enviar mensagens privadas para seus contatos. Para enviar mensagens a terceiros (pessoas que sejam conexões de 2o grau ou 3o grau, é preciso que você adicione a pessoa antes, ou, na versão paga, envie um InMail)

8- Ferramenta muito útil para procurar emprego: você pode seguir a página de empresas, acompanhar as novas vagas etc.

Ótima ferramenta para quem está em busca de emprego. O próprio LinkedIn ajuda na busca com este recurso específico aqui.

9- Você pode postar links e pequenos trechos interessantes.

Gosto muito desse recurso, diariamente leio links postados pela minha rede no LinkedIn. No geral são links mais focados em negócios, carreira, economia, finanças e outros temas mais "profissionais". De novo, o fato de ser uma rede "de nicho" traz benefícios à qualidade das interações, inclusive quanto ao conteúdo compartilhado.

10- Você pode participar de grupos e comunidades.

Outro ótimo recurso para fazer networking e estar atualizado sobre o que se está discutindo (ou eventos, textos) na sua área.

11- Você pode pesquisar competidores e não ser visto.

No painel de configurações você consegue optar que outras pessoas não vejam que você visitou suas páginas (aparecerá como "anônimo"). Eu pessoalmente não acho essa investigação oculta muito saudável, e deixo todos saberem quando visito o perfil, mas há pessoas que preferem a versão anônima. Essa é outra característica semelhante ao querido (e em processo de sair do ar) Orkut

12- Escrever artigos.

Ferramenta liberada recentemente pelo LinkedIn, permite que usuários publiquem artigos. Este link mostra como funciona. Eu gosto bastante dessa nova ferramenta e tenho publicado diversos artigos por lá! Para ler os artigos, clique aqui.

Espero que, como eu, vocês fiquem a cada dia mais empolgados com as possibilidades da internet e cresçam muito em suas carreiras!

Se vocês tiverem histórias interessantes de como o LinkedIn ajudou a encontrar um novo emprego ou uma grande oportunidade, sintam-se à vontade para compartilhar nos comentários.

Um abraço e até breve!

Luiza
http://about.me/luizasrezende

Se você gostou do post, clique aqui para se inscrever e receber os novos posts por email :-)