Ser líder x ser chefe

Hoje li este artigo que descobri através do Twitter (sigo a Entrepreneur, recomendo a todos, bastante informação útil vinda de diversos autores) que vai sair na revista Entrepreneur na edição de março de 2015 e gostei muito.

O título é: "O que Liderança é - e o que não é (What Leadership Is -- And What It Is Not)"  e foi escrito por Amy Cosper, a Editor in Chief/VP da revista (o Twitter dela parece ter diversas informações úteis também). Convido todos a lerem (está inglês, para quem precisar o Google Translator deve ajudar). O texto é um verdadeiro "chamado" (- ou, como é comum dizer hoje, um "call to action").

No texto a autora trata liderança como algo bastante profundo, algo que envolve coragem, atrevimento e uma visão singular de mundo. Para ela liderança é a sobrevivência do líder, assim como a sobrevivência dos liderados; é o legado. É aquilo que faz a pessoa ser grande.

Ser chefe ou ter um cargo alto é uma coisa. Ser líder é uma coisa totalmente diferente. Existem muitos chefes que não realizam a missão profunda de liderar pessoas e apenas ostentam seu cargo e as funções de coordenação que lhe são atribuídas.

Muitos chefes, por estarem imbuídos de gana de poder, desejo de serem reconhecidos ou de subirem na hierarquia, desejo de imporem sua opinião e outros anseios egocêntricos (que muitas vezes são motivados por insegurança, medo e fraquezas pessoais), acabam causando mal a seu time e aos funcionários individualmente falando.

Existem líderes que não são chefes, mas exercem a liderança no cargo que ocupam, inspirando e conduzindo seus colegas, imbuindo-lhes de visão e motivação, ajudando-os a pavimentar o caminho do que deve ser realizado.

O líder é capaz de contagiar os outros com seus valores, de usar sua liderança como uma tinta que pinta o que está à sua volta, dando cor, ânimo, destino e preenchimento à uma organização ou grupo.

Para a autora, liderança em um contexto empresarial seria o a contribuição e o "serviço" que o líder faz para a empresa (e aqui gosto de ver "serviço" em um sentido maior, quase como um serviço à humanidade que o líder está realizando, algo que todos deveríamos procurar fazer no dia-a-dia).

É sempre bom ter um líder por perto. O futuro fica mais facilmente visível e o dia-a-dia, mais leve. Os liderados conseguem enxergar sua missão pessoal, são contaminados com o instinto de "servir" do líder e querem também "servir" em sua forma.

Ser líder vai muito além da pessoa do líder em si. É emitir uma influência que irá se espalhar e estará estampada nos liderados, na empresa. 

É uma grande chance para definir ou mudar os rumos de uma organização, uma grande oportunidade de crescimento e amadurecimento, e acima de tudo uma imensa responsabilidade.


Luiza S. Rezende
http://about.me/luizasrezende

Se você gostou do post, clique aqui para se inscrever e receber os novos posts por email.

Liderança, Amy Cosper, Entrepreneur, empreendedor, empreendedorismo, chefe, líder,
Foto: Panther Media / CrayonStock

Notícia importante para as empresas de tecnologia de São Paulo

Olá a todos,

Segue uma notícia importante para as empresas de tecnologia de São Paulo.

Foi disponibilizada a Convenção de Trabalho de 2015 do SEPROSP (Sindicato das Empresas de Processamento de Dados e Serviços de Informática do Estado de São Paulo) e do SINDPD/SP (Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo), que estipula algumas medidas que devem ser tomadas por todas as empresas abrangidas pelo ramo (documento anexo).

Dentre as alterações acordadas entre os sindicatos, seguem as principais mudanças, para ciência:

i) Reajuste salarial de 7% - não pode abater os aumentos provenientes de término de aprendizagem, implemento de idade, promoção por antiguidade ou merecimento, transferência de cargo, função, estabelecimento ou localidade;

a) O reajuste retroage ao dia 1/1/2015, se não consideraram ele no fechamento da folha de fevereiro (referente a janeiro), devem fazê-lo na próxima folha e pagar a diferença referente ao salário de janeiro.

b) O reajuste para empregados contratados durante o ano de 2014 tem regramento especial, a depender de haver ou não um paradigma na empresa exercendo a mesma função (se houver paradigma o reajuste tem que ser idêntico ao do paradigma, se não houver faz o reajuste proporcional aos meses trabalhados em 2014)

ii) Empresas com mais de 20 funcionários devem obrigatoriamente fornecer vale-refeição de no mínimo R$ 15,00 diários;

iii) Empresas com mais de 10 empregados devem fornecer vale-refeição no mesmo valor a partir de 1/07/2015;

iv) Quem já fornece vale-refeição deve continuar fornecendo, independentemente do número de empregados;

a) O vale refeição, em regra, conta como salário para todos os fins (reflexo em férias, 13º, FGTS, INSS, etc);

b) Há a possibilidade da empresa aderir ao Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) e com isso esse valor ser considerado verba indenizatória, e não salarial;

v) Desconto na folha de pagamento dos empregados de “contribuição assistencial” em favor do Sindpd – valor de 1% do salário do empregado, limitado ao valor de R$ 30,00, independente dele ser sindicalizado ou não;

a) Caso o empregado não queira sofrer esse desconto deve entrar em contato imediatamente com o Sindpd e negociar pessoalmente com o sindicato o não desconto, e comprovar a dispensa para empresa;

b) Mensalmente o Sindpd gerará uma guia para empresa recolher esses valores.  
vi) Empresas deverão implantar programa de PLR, caso ainda não possuam. As empresas que já possuem ficam obrigadas a mantê-lo.

Dentre estas, chamamos especial atenção para a agora obrigatória implantação de programa de Participação nos Lucros ou Resultados (item vi), cujas tratativas com o SINDPD devem ser iniciadas em até 90 dias contados da assinatura da CCT, que se deu em 30/01/15. Também chama atenção a necessidade de desconto da “contribuição assistencial”.

Consulte seu advogado de confiança.

Até breve!

Luiza S. Rezende
http://about.me/luizasrezende

Para se inscrever e receber os novos posts por email, clique aqui.

empresa de tecnologia, Convenção de Trabalho, tecnologia,
Foto: Kzenon / CrayonStock

A importância do acompanhamento jurídico contínuo para empresas

Alguns empreendedores e novos empresários têm dúvidas sobre a necessidade de consultar um advogado ou ter um advogado acompanhando a empresa. Minha resposta:

a) escolha um advogado de sua confiança e sente-se com ele assim que decidir que aquele business que você está planejando irá sair do papel e se tornar uma empresa;

b) é importante ter um advogado acompanhando o processo de crescimento da empresa e ciente dos novos desafios estruturais e comerciais, pois assim ele poderá resolver as dúvidas jurídicas que surgirem e providenciar os novos procedimentos/documentações que foram necessários.

Ao se sentar com seu advogado pela primeira vez discuta com ele os principais pontos de sua empresa, as atividades que ela realiza, os planos para os próximos meses em relação a expansão, sócios, funcionários, forma de relacionamento com cliente, marketing etc e defina uma lista de prioridades jurídicas que devem ser seguidas nos próximos meses. 

Alguns documentos são essenciais e devem ser realizados imediatamente. Outros serão imprescindíveis assim que determinada atividade, serviço ou produto for oferecido. Para uma empresa com um orçamento inicial mais enxuto, como são as startups e as pequenas e micro empresas em geral, estabelecer as prioridades junto com seu advogado é um passo importante para que o cliente fique seguro e para que a assessoria jurídica caiba no budget. Não dar atenção a itens jurídicos essenciais da empresa pode custar caro (literalmente $ caro) no futuro, por isso a importância de eleger um advogado de confiança e tê-lo por perto.

O primeiro papo com o advogado deve ser direto e objetivo, de modo a deixar o empreendedor/empresário seguro do que ele precisa para estar juridicamente protegido e ciente de quais são os próximos passos e prioridades para que isso ocorra de forma financeiramente viável.

Após o primeiro papo, a ideia é que a relação com o advogado seja constante, de modo a que este profissional possa ajudar o empresário nos novos desafios jurídicos que irá enfrentar ao longo da vida da empresa.

Se vocês estão iniciando a própria empresa agora, segue outro post do blog que pode ser útil: Cuidados jurídicos iniciais que todo empreendedor e empresário devem ter ao abrir sua empresa.

Se vocês se interessam por Direito Digital e pelo tema "Startup", o blog contém alguns outros posts que podem ser úteis, confiram todos eles e outros sobre temas relacionados na barra da direita.

Até breve!

Luiza S. Rezende
http://about.me/luizasrezende

Se você gostou do post, clique aqui para se inscrever e receber os novos posts por email.


advogado, Business, empreendedor, Empresa, empresário, Jurídico, Startup,
Foto: Panter Media / CrayonStock

10 Dicas Básicas de Produtividade e Bem-Estar

Muito melhor do que trabalhar muitas horas seguidas é trabalhar com qualidade, de forma produtiva, nas horas trabalhadas. Seguem abaixo algumas dicas para tornar o dia-a-dia no trabalho mais produtivo.

Essas são dicas que aplico à minha própria vida e que têm me ajudado a ter um dia-a-dia mais equilibrado. Espero que sejam úteis a vocês.

1- Tenha uma agenda completa e organizada.

Eu prefiro agendas online, mas se você prefere agenda de papel e caneta, vá em frente. O ideal é que você coloque as atividades relevantes do seu dia lá, estimando corretamente o tempo de duração de cada atividade. Isso ajuda você a ter mais razoabilidade na duração de cada tarefa (há pessoas que demoram muito tempo em tarefas curtas porque se distraem, colocar os itens na agenda ajuda você a ter mais controle) e também ajuda a planejar melhor a semana, o mês e o ano (você tem uma noção de proporção e duração das tarefas).

2- No começo do dia, dê uma olhada na sua agenda para ver o que está programado para o dia.

É a primeira coisa que faço no dia, ajuda a diminuir a ansiedade, se organizar e ter um melhor planejamento do tempo.Dê uma olhada também na semana e no mês, para ter uma noção mais ampla das tarefas e processos que estão acontecendo. Se for necessário, realoque, delete ou acrescente tarefas.

3- No final do dia, veja se ficou faltando alguma tarefa e reagende-a.

Se o dia foi mais cansativo do que você imaginava, sem problemas. No final do dia reagende as tarefas que você não pode cumprir e comunique (email, telefone) os envolvidos. Não cumprir uma tarefa e não avisar ninguém não vai te "salvar" dela e vai te causar ansiedade por não ter feito e avisado ninguém. O melhor é encarar com racionalidade seu planejamento de tempo e reagendar as tarefas.


4- Alterne tarefas mais intelectuais com tarefas mais mecânicas.

Esse "método" me ajuda bastante a ser mais produtiva. Se tenho algo intelectualmente intenso para fazer, procuro alternar com uma tarefa mais "mecânica", como preencher uma lista, organizar informações etc. As tarefas parecem menos cansativas (você não exaure o cérebro e não se entedia com uma tarefa muito repetitiva)

5- Faça alguma atividade física durante o dia.

Acho importante, melhora o estado de ânimo e ajuda a saúde. Eu gosto de caminhadas! (aqui meu post sobre caminhadas do blog pessoal).

6- Evite comer demais se for trabalhar depois.

Se como demais fico sonolenta e sem ânimo para ser produtiva. Cada um tem seu jeito de se alimentar, mas vale refletir se a feijoada não vai acabar com sua produção depois do almoço.

7- Acorde cedo, sinta-se produtivo desde cedo.

Esse item é polêmico, sei de muitas pessoas que preferem usar a madrugada

8- Esteja hidratado durante o dia.

Água me ajuda a me sentir bem durante o dia. E parece que estar hidratado faz bem para saúde também!

9- Dê a devida atenção atenção aos amigos, namorado(a), marido/esposa e à família.

Ser eficiente é também saber valorizar as pessoas e os momentos que mais importam, se cuidar, se conhecer. Só trabalhar e não cuidar da vida pessoal e de você mesmo é um péssimo planejamento de longo prazo.

10- Tenha um hobby, faça atividades para você.

A vida não é só trabalho. Somos todos seres em transformação e que têm muito a aprender nessa vida. Desfrute, faça coisas que gosta e que te façam se sentir bem...! (os meus blogs pessoais contêm vários artigos sobre esse tema, aqui em português e aqui o blog em inglês).

***

Espero que as dicas sejam úteis!

Luiza S. Rezende
http://about.me/luizasrezende


Se você gostou do post, clique aqui para se inscrever e receber os novos posts por email.


dia-a-dia, Eficiência, empreendedor, empreendedorismo, Empresa, empresarial, empresário, Produtividade, profissional, Trabalho, Startup, empreender,
Foto: Panther Media / CrayonStock

Você é sócio minoritário de uma empresa? Saiba mais sobre seus Direitos e Deveres

Texto elaborado pelo Dr. Fábio Soares e revisado pela nossa equipe (SRC Advogados). Esperamos que seja útil a vocês.

Um abraço,
Luiza S. Rezende

***

Você é sócio minoritário de uma empresa? Saiba mais sobre seus Direitos e Deveres

É comum que sócios minoritários de empresas não conheçam seus direitos e deveres. Mais das vezes, os minoritários não atuam diretamente na administração da empresa e não ficam bem informados sobre seu cotidiano.

A importância da utilização de contratos

Conforme já informado no presente blog, Contratos são muito úteis para aprimorar a comunicação entre as Partes e podem e devem conter linguagem acessível e direta, sendo muito importante celebrá-los.

Sócios minoritários em muitas ocasiões ficam associados a determinados negócios apenas sob a forma de cláusulas padrão de Contratos Sociais, não buscando efetivar contratos mais completos, práticos e até mais importantes, que conseguirão detalhar melhor as operações e visões empresariais, tais como:

(i) o acordo de quotistas;

(ii) o memorando de entendimentos, entre outros.

Tornei-me minoritário - agora é só torcer e esperar pelo sucesso do negócio?

Os minoritários podem se tornar sócios de empresas por motivos diversos como:

(i) aplicação de economias em alternativa de investimento (e não no mercado de capitais apenas – Bolsa de Valores), como investidor em um projeto de um amigo, como investidor-anjo, ou fundos de private equity-venture capital;

(ii) ter herdado a participação societária de algum familiar;

(iii) ter adquirido a participação em algum empreendimento imobiliário etc.

Entretanto, antes de falarmos sobre os direitos, importante esclarecer que os minoritários têm diversas responsabilidades e devem zelar pela saúde do negócio, pois não somente os sócios administradores são os que respondem pelas dívidas da empresa.

O minoritário deve sim monitorar a situação da empresa, ainda que isso implique em custos. Em situações de débitos de origem trabalhista e tributária, entre outras situações, os minoritários podem ter suas contas bancárias bloqueadas judicialmente visando saldar as dívidas da empresa. Hoje em dia é firme o entendimento de que o interesse da empresa não se confunde com o interesse do sócio controlador. Como o minoritário pode ter responsabilidade pelas dívidas da empresa, ele tem o poder-dever de fiscalizar os negócios sociais e combater e questionar os atos lesivos à empresa, não apenas sendo mero figurante a espera de receber lucros ou revender a sua participação com ganho.

A importância da Governança Corporativa para Negócios de qualquer porte:

Um bom caminho para coibir abusos é buscar que as empresas cumpram regras mínimas da chamada governança corporativa, por meio de princípios como: 

a) Transparência: a comunicação interna e externa deve ser otimizada, gerando mais confiança entre os envolvidos; o minoritário tem o direito de pedir informações e relatórios e a empresa tem o dever de informar; a idéia de reuniões de sócios periódicas, bimestrais por exemplo, costumam gerar bons resultados na prática. 

b) Prestação de Contas (Accountability): os administradores devem prestar contas de sua atuação aos sócios e respondem pelo bom exercício de sua gestão; isso não significa que obrigatoriamente a empresa deve dar lucro, mas que deve sim cumprir os seus fins sociais, as suas atividades empresariais, sendo que os administradores devem atuar com diligência e atenção, sem praticar atos temerários ou muito arriscados; é o conceito de business judgement rule; 

c) Responsabilidade Corporativa: os administradores e sócios devem buscar o equilíbrio financeiro, a sustentabilidade e a perenidade da pessoa jurídica, cumprindo a sua função social.

d) Equidade: o tratamento dispensado aos sócios minoritários e as partes interessadas deve ser justo e equilibrado e não autoritário ou desproprocional.

Há opções para coibir abusos?

Caso a situação na empresa e a relação entre os sócios estejam desreguladas, e abusos estejam sendo cometidos, os minoritários possuem meios para fazer valer os seus direitos.

direito de retirada é fundamental, podendo a qualquer tempo o minoritário se retirar da empresa, recebendo os haveres respectivos. Por isso muitas vezes é importante não constar apenas que as quotas valem o valor patrimonial-contábil, mas sim uma forma de valuation mais elaborada, unindo elementos financeiros e intangíveis dos negócios e da área de atuação da empresa. Empresas de tecnologia muitas vezes possuem ativos irrisórios frente o seu poder de geração de caixa. Logo, o valor patrimonial em de longe demonstra o valor daquela participação societária.

Tais regras devem ser estipuladas previamente mediante contrato. Em casos de comprovada má-administração, é viável pedidos de indenização, assim como a ação de prestação de contas é outra ferramenta à disposição.

Logo, o que resta claro é que a informação e a comunicação exercem papel fundamental nas relações de empresas iniciantes ou consolidadas, sendo negociação de contratos prévios como (i) acordos de quotistas e (ii) memorando de entendimentos uma ótima forma de prevenir problemas futuros.

Esperamos que o texto seja útil a vocês. Lembrando que este documento é meramente didático e não substitui a consulta ao advogado.

***

Se você está começando sua empresa de e-commerce agora, seguem outros posts do blog que podem te ajudar nesse momento:

Você possui um e-commerce? Confira algumas regras trazidas pelo Decreto Federal 7.962/13

No dia 14/05/2013 entraram em vigor no Brasil as novas regras sobre e-commerce, conforme disposto no Decreto Federal 7.962/13, que veio regulamentar o Código de Defesa do Consumidor no que diz respeito ao comércio eletrônico.

Elenco abaixo alguns pontos importantes que empresários deverão se atentar em sua plataforma de e-commerce. Lembre-se de consultar seu advogado para saber a melhor forma de aplicar a nova regulamentação em seu negócio online.

1- Os sites e aplicativos que oferecerem comércio eletrônico deverão disponibilizar, em local de destaque e de fácil visualização, as seguintes informações:

a) Nome da empresa e número de inscrição do fornecedor, quando houver, no Cadastro Nacional de Pessoas Físicas ou no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas do Ministério da Fazenda;

b) Endereço físico e eletrônico, e demais informações necessárias para sua localização e contato da empresa;

c) As características essenciais do produto ou do serviço, incluídos os riscos à saúde e à segurança dos consumidores;

d) Discriminação, no preço, de quaisquer despesas adicionais ou acessórias, tais como as de entrega ou seguros;

e) Condições integrais da oferta, incluídas modalidades de pagamento, disponibilidade, forma e prazo da execução do serviço ou da entrega ou disponibilização do produto;

f) Informações claras e ostensivas a respeito de quaisquer restrições à fruição da oferta.

2- Os sites promotores do serviço de compra coletiva deverão ter, além das informações acima, alguns dados adicionais, são eles:

a) Quantidade mínima de consumidores para a efetivação do contrato;

b) Prazo para utilização da oferta pelo consumidor;

c) Identificação do fornecedor responsável pelo site e do fornecedor do produto ou serviço ofertado.

3- Os sites que fornecem comércio eletrônico deverão apresentar algumas ferramentas e recursos ao consumidor, da seguinte forma:

a) Apresentar um resumo do contrato antes da contratação, com as informações necessárias ao pleno exercício do direito de escolha do consumidor, enfatizadas as cláusulas que limitem direitos;

b) Fornecer ferramentas eficazes ao consumidor para identificação e correção imediata de erros ocorridos nas etapas anteriores à finalização da contratação;

c) Confirmar imediatamente o recebimento da aceitação da oferta;

d) Disponibilizar o contrato ao consumidor em meio que permita sua conservação e reprodução, imediatamente após a contratação;

e) Manter serviço adequado e eficaz de atendimento em meio eletrônico, que possibilite ao consumidor a resolução de demandas referentes a informação, dúvida, reclamação, suspensão ou cancelamento do contrato;

f) Confirmar imediatamente o recebimento das demandas do consumidor pelo mesmo meioempregado pelo consumidor;

g) Utilizar mecanismos de segurança eficazes para pagamento e para tratamento de dados do consumidor.

4- Em relação ao direito de arrependimento no e-commerce, o decreto dispõe que:

a) O fornecedor deve informar, de forma clara e ostensiva, os meios adequados e eficazes para o exercício do direito de arrependimento pelo consumidor;

b) O consumidor poderá exercer seu direito de arrependimento pela mesma ferramenta utilizada para a contratação, sem prejuízo de outros meios disponibilizados;

c) O exercício do direito de arrependimento implica a rescisão dos contratos acessórios, sem qualquer ônus para o consumidor;

d) O exercício do direito de arrependimento será comunicado imediatamente pelo fornecedor à instituição financeira ou à administradora do cartão de crédito ou similar, para que a transação não seja lançada na fatura do consumidor, ou então seja efetivado o estorno do valor, caso o lançamento na fatura já tenha sido realizado;

e) O fornecedor deve enviar ao consumidor confirmação imediata do recebimento da manifestação de arrependimento.

E o decreto finaliza afirmando que as contratações no comércio eletrônico deverão observar o cumprimento das condições da oferta, com a entrega dos produtos e serviços contratados, observados prazos, quantidade, qualidade e adequação; e que a inobservância das condutas descritas no Decreto ensejará aplicação das sanções previstas no art. 56 do Código de Defesa do Consumidor, que são elas:

"Art. 56. As infrações das normas de defesa do consumidor ficam sujeitas, conforme o caso, às seguintes sanções administrativas, sem prejuízo das de natureza civil, penal e das definidas em normas específicas:

I - multa;
II - apreensão do produto;
III - inutilização do produto;
IV - cassação do registro do produto junto ao órgão competente;
V - proibição de fabricação do produto;
VI - suspensão de fornecimento de produtos ou serviço;
VII - suspensão temporária de atividade;
VIII - revogação de concessão ou permissão de uso;
IX - cassação de licença do estabelecimento ou de atividade;
X - interdição, total ou parcial, de estabelecimento, de obra ou de atividade;
XI - intervenção administrativa;
XII - imposição de contrapropaganda.

Parágrafo único. As sanções previstas neste artigo serão aplicadas pela autoridade administrativa, no âmbito de sua atribuição, podendo ser aplicadas cumulativamente, inclusive por medida cautelar, antecedente ou incidente de procedimento administrativo"

Espero que essas informações seja úteis a vocês. Não deixem de consultar seu advogado para saber a melhor forma de adequar seu ecommerce às disposições do Decreto. Para conferir o Decreto na Íntegra, clique aqui.

Se você está começando sua empresa de e-commerce agora, seguem outros posts do blog que podem te ajudar nesse momento: