Ser líder x ser chefe

Ser líder e ser chefe, será que existe alguma diferença? Um líder é naturalmente alguém que chefia? Alguém que está na posição de chefe é alguém que naturalmente lidera? Parece que não.

Hoje li este artigo que descobri através do Twitter (sigo a Entrepreneur, recomendo a todos, bastante informação útil vinda de diversos autores) que vai sair na revista Entrepreneur na edição de março de 2015 e gostei muito.

O título é: "O que Liderança é - e o que não é (What Leadership Is -- And What It Is Not)"  e foi escrito por Amy Cosper, a Editor in Chief/VP da revista (o Twitter dela parece ter diversas informações úteis também). Convido todos a lerem (está inglês, para quem precisar o Google Translator deve ajudar). O texto é um verdadeiro "chamado" (- ou, como é comum dizer hoje, um "call to action").

No texto a autora trata liderança como algo bastante profundo, algo que envolve coragem, atrevimento e uma visão singular de mundo. Para ela liderança é a sobrevivência do líder, assim como a sobrevivência dos liderados; é o legado. É aquilo que faz a pessoa ser grande.

Ser chefe ou ter um cargo alto é uma coisa. Ser líder é uma coisa totalmente diferente. Existem muitos chefes que não realizam a missão profunda de liderar pessoas e apenas ostentam seu cargo e as funções de coordenação que lhe são atribuídas.

Muitos chefes, por estarem imbuídos de gana de poder, desejo de serem reconhecidos ou de subirem na hierarquia, desejo de imporem sua opinião e outros anseios egocêntricos (que muitas vezes são motivados por insegurança, medo e fraquezas pessoais), acabam causando mal a seu time e aos funcionários individualmente falando.

Existem líderes que não são chefes, mas exercem a liderança no cargo que ocupam, inspirando e conduzindo seus colegas, imbuindo-lhes de visão e motivação, ajudando-os a pavimentar o caminho do que deve ser realizado.

O líder é capaz de contagiar os outros com seus valores, de usar sua liderança como uma tinta que pinta o que está à sua volta, dando cor, ânimo, destino e preenchimento à uma organização ou grupo.

Para a autora, liderança em um contexto empresarial seria o a contribuição e o "serviço" que o líder faz para a empresa (e aqui gosto de ver "serviço" em um sentido maior, quase como um serviço à humanidade que o líder está realizando, algo que todos deveríamos procurar fazer no dia-a-dia).

É sempre bom ter um líder por perto. O futuro fica mais facilmente visível e o dia-a-dia, mais leve. Os liderados conseguem enxergar sua missão pessoal, são contaminados com o instinto de "servir" do líder e querem também "servir" em sua forma.

Ser líder vai muito além da pessoa do líder em si. É emitir uma influência que irá se espalhar e estará estampada nos liderados, na empresa. 

É uma grande chance para definir ou mudar os rumos de uma organização, uma grande oportunidade de crescimento e amadurecimento, e acima de tudo uma imensa responsabilidade.

***

Se você quer ficar sabendo quando os próximos vídeos forem lançados, inscreva-se no meu canal do YouTube. Se você quer receber os próximos posts deste blog por email, clique aqui.

Na coluna da direta deste blog você encontrará os posts mais populares, assim como o arquivo com todos os posts publicados. Se você sentiu falta de algum tema, escreva-me

Até a próxima

Luiza S. Rezende
Advogada empresarial especializada em startups
Liderança, Amy Cosper, Entrepreneur, empreendedor, empreendedorismo, chefe, líder,
Foto: Panther Media / CrayonStock

Notícia importante para as empresas de tecnologia de São Paulo (Convenção de Trabalho de 2015 do SEPROSP e do SINDPD/SP)

Olá a todos, segue uma notícia importante para as empresas de tecnologia de São Paulo.

Foi disponibilizada a Convenção de Trabalho de 2015 do SEPROSP (Sindicato das Empresas de Processamento de Dados e Serviços de Informática do Estado de São Paulo) e do SINDPD/SP (Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo), que estipula algumas medidas que devem ser tomadas por todas as empresas abrangidas pelo ramo.

Dentre as alterações acordadas entre os sindicatos, seguem as principais mudanças, para ciência:

i) Reajuste salarial de 7% - não pode abater os aumentos provenientes de término de aprendizagem, implemento de idade, promoção por antiguidade ou merecimento, transferência de cargo, função, estabelecimento ou localidade;

a) O reajuste retroage ao dia 1/1/2015, se não consideraram ele no fechamento da folha de fevereiro (referente a janeiro), devem fazê-lo na próxima folha e pagar a diferença referente ao salário de janeiro.

b) O reajuste para empregados contratados durante o ano de 2014 tem regramento especial, a depender de haver ou não um paradigma na empresa exercendo a mesma função (se houver paradigma o reajuste tem que ser idêntico ao do paradigma, se não houver faz o reajuste proporcional aos meses trabalhados em 2014)

ii) Empresas com mais de 20 funcionários devem obrigatoriamente fornecer vale-refeição de no mínimo R$ 15,00 diários;

iii) Empresas com mais de 10 empregados devem fornecer vale-refeição no mesmo valor a partir de 1/07/2015;

iv) Quem já fornece vale-refeição deve continuar fornecendo, independentemente do número de empregados;

a) O vale refeição, em regra, conta como salário para todos os fins (reflexo em férias, 13º, FGTS, INSS, etc);

b) Há a possibilidade da empresa aderir ao Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) e com isso esse valor ser considerado verba indenizatória, e não salarial;

v) Desconto na folha de pagamento dos empregados de “contribuição assistencial” em favor do Sindpd – valor de 1% do salário do empregado, limitado ao valor de R$ 30,00, independente dele ser sindicalizado ou não;

a) Caso o empregado não queira sofrer esse desconto deve entrar em contato imediatamente com o Sindpd e negociar pessoalmente com o sindicato o não desconto, e comprovar a dispensa para empresa;

b) Mensalmente o Sindpd gerará uma guia para empresa recolher esses valores.  
vi) Empresas deverão implantar programa de PLR, caso ainda não possuam. As empresas que já possuem ficam obrigadas a mantê-lo.

Dentre estas, chamamos especial atenção para a agora obrigatória implantação de programa de Participação nos Lucros ou Resultados (item vi), cujas tratativas com o SINDPD devem ser iniciadas em até 90 dias contados da assinatura da CCT, que se deu em 30/01/15. Também chama atenção a necessidade de desconto da “contribuição assistencial”.

Consulte seu advogado de confiança.

Até breve!

Luiza S. Rezende
Advogada empresarial especializada em startups
http://about.me/luizasrezende


Se você gostou do post, clique aqui para se inscrever e receber os novos posts por email.

empresa de tecnologia, Convenção de Trabalho, tecnologia,
Foto: Kzenon / CrayonStock